Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Coisas Boas de Contar

"ao escrever sei esclarecer tudo, os meus pensamentos, os meus ideais, as minhas fantasias." Anne Frank

Coisas Boas de Contar

"ao escrever sei esclarecer tudo, os meus pensamentos, os meus ideais, as minhas fantasias." Anne Frank

Qua | 03.07.19

O Meu Amor pelos Animais (Não os Abandonem)

Contei

IMG_3323.JPG

A verdade é que sempre tive um amor difícil de quantificar por animais! A minha mãe com a sua teimosia dos “animais devem ter espaço e dão muito trabalho” nunca me permitiu ser uma criança plenamente feliz!!! Ok! Tive 1 ou 2 ou 3... hámsteres (não me recordo bem o que lhes aconteceu) e 1000 peixes pretos de olhos esbugalhados (estes recordo-me e infelizmente apareciam a boiar com frequência... nunca percebi porquê, mas calculo que fosse falha minha!)!!! Ah, tive um porco da Índia! Foi uma prenda do meu marido! Infelizmente tive de o entregar na loja de animais, dias mais tarde, porque segundo a senhora minha mãe, cheirava mal (nunca tinha chorado tanto por um animal como naquele dia).

 

Quando fiz perto dos meus 20 anos ou talvez um pouco mais comprei uma chinchila (animal curioso). Quando a minha mãe se apercebeu do que se passava quase ia tendo um ataque! Contudo como não cheirava mal, lá tive autorização para a manter... fora de casa!!! Sim, lá me arranjei! Ainda hoje é viva com a belíssima idade de 11 anos!! Mas não era o suficiente!

 

Quando me casei (passado 3 meses) fui fazer uma visita ao canil (visita a não repetir... parecem corredores da morte... mas com animais)! Nunca me fez muito sentido dar dinheiro por um animal quando, infelizmente, continuamos a ter centenas de casos de abandono todos os anos (se somos cruéis entre nós quanto mais com espécies "inferiores")! Foi nessa altura que chegou a Maggie! Um ser de 4 patas, com ares de lavrador, 3 quilos e muito malcheirosa! A rainha da única cama de casal cá de casa! No primeiro dia que a coloquei no chão de minha casa mijou logo o hall de entrada. Estava assustada! Nessa mesma noite bem a tentei fechar na cozinha, para dormir na cama dela, mas ela chorava tanto que abri a porta e desde esse dia nunca mais largou a minha cama! A única diferença, dessa altura para agora, é que atualmente pesa 20 quilos e já não cabe na palma da mão!!!

 

Não é fácil ter um animal... eu própria entrei em pânico na primeira semana! Sabem os filmes onde os cãezinhos são um miminho? Esqueçam! Fazia cocó e comia, roeu-me as cadeiras da cozinha, uma perna da mesa, destruiu-me os tapetes e a bainha dos cortinados... e a cama dela? Era de tecido... pois... era! Uma vez fechou-se na despensa! Entrou e fechou a porta. Quando cheguei entrei em pânico por não a ver. Fiquei ainda mais em pânico quando vi a minha despensa (arroz no chão, bolachas, ração, pão com um mix de cocó e chichi) quis matá-la!!!!! Houve uma altura, já nem sei porque motivo, com medo de levar no focinho enfiou-se dentro da máquina de lavar a roupa. A sacana escondeu-se!!! E agora que estou a rever mentalmente estes episódios só me apetece rir (mas na altura não tiveram piada nenhuma)!!!

 

Voltando ao "Não é fácil ter um animal" outro exemplo são as Férias. Fica tudo limitado em espaços e locais para onde ir, para jantar ou almoçar, só em esplanadas, seja inverno ou verão e nem todas aceitam os animais. Quando saímos de casa para fazer alguma coisa há cuidados a ter (tirar o lixo, por exemplo) mas não há nada mais reconfortante do que meter a chave na porta e já estar a ouvir um rabo agitado por trás a roçar no chão ou uma cabecinha em cima das nossas pernas à espera de uns miminhos... falo tanto que o amor não é incondicional entre humanos... mas é sem sombra de dúvidas uma capacidade dos animais...

 

Já estamos na época das férias, pelo que fica aqui o meu apelo: Não abandonem os animais!!! Eles vão fazer asneiras, vão ficar maiores mais velhos e menos divertidos. Sim, vão ter de gerir rotinas em função deles... mas são parte da família e não atamos família a árvores ou os deixamos no meio do mato e fugimos... sejam aquilo que realmente são mas na vossa melhor essência: Humanos!