Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Coisas Boas de Contar

"ao escrever sei esclarecer tudo, os meus pensamentos, os meus ideais, as minhas fantasias." Anne Frank

Coisas Boas de Contar

"ao escrever sei esclarecer tudo, os meus pensamentos, os meus ideais, as minhas fantasias." Anne Frank

Qua | 15.05.19

Ainda na Cozinha - Novo CHEF lá de Casa - JAMIE OLIVER

Contei

Como partilhei, sou fã de cozinha. Irónico porque durante anos não toquei, praticamente, numa frigideira para estelar um ovo (em azeite, manteiga ou óleo - como preferirem).

 

Passo a explicar:

Até me casar vivi sempre com os meus pais. A minha mãe sempre teve uma mão de fada para a cozinha. Não sei se por ter começado a cozinhar, desde cedo, para uma grande família, se por ser uma mulher do Norte (ou talvez não) se simplesmente por gosto ou dedicação à família (o jantar, principalmente, sempre representou aquele momento de lazer, onde podíamos disfrutar, um pouco, da companhia uns dos outros. Por outro lado, os lanches ajantarados e os almoços domingueiros serviam para uma reunião com os restantes irmãos dela e por consequência primos e afins...). A verdade é que deixava sempre a minha marmita pronta para ir ao microondas. Mesmo quando comecei a faltar, aos nossos jantares, por motivos profissionais, quando chegava, a mesa estava preparada e o jantar pronto a aquecer.

 

Embora, em alguns momentos, ela me tenha puxado para a cozinha, o comodismo e a falta de necessidade sempre me levaram a dizer que aprenderia com o tempo e que haveria de me desenvencilhar. Estas palavras faziam-lhe confusão! Dizia muitas vezes que ia passar muitos dias a torradas e leite e que possivelmente seria uma péssima cozinheira! Bem, afinal as mães não têm sempre razão. Não que uma torrada e leite não sejam aconchegantes, para dias em que chegamos a más horas, mas acabei por me revelar uma boa cozinheira (entre telefonemas para ela, pesquisas na internet, livros, programas de culinária e também alguma curiosidade).

 

Lá em casa:

Sempre tive estipulado o conceito de intercalar proteínas e de fazer uma ementa semanal. Desta forma pratos mais simples e rápidos durante a semana (por uma questão de gestão de tempo) e mais complexos e aconchegantes ao fim de semana (principalmente no inverno). Para além do mais, uma ementa permite ter as compras mais racionadas e comer alimentos mais frescos (há coisas que compro apenas no dia, até porque o conceito de compras mensais, com a atual oferta e quantidade de promoções, é apenas uma sobrecarga para o frigorifico/congelador).

 

Com a aquisição do livro do Jamie Oliver, para além do habitual planeamento, tenho feito uma gestão entre os pratos novos (que todos possam comer) bem como os tradicionais e devo dizer que são rápidos e práticos. Têm feito sucesso em casa.

 

Como os meus dotes, não são os mais aprumados no que toca a fotografias, muito menos de refeições (admiro muito quem consegue tirar fotografias magnificas de comida e transformar aquele vislumbre quase numa degustação visual - talheres dispostos de certa forma ou o copo com sumo natural, a toalha branca por cima da mesa e os pratos da coleção de jantar, a planta de lado e as saladas coloridas a dar o ar de sua graça) vou deixar algumas imagens das refeições, preferidas, que já confecionamos... com o meu não toque de fotógrafa (gostaria de vos dar os nomes das receitas mas não me recordo ).

IMG_2540.jpg

IMG_2585.jpg

IMG_2524.jpg

 

Nota: Pensavam que só se cozinhava alheiras, não?!